Crítica de Filmes

Capitão Fantástico

Faz algum tempo que vi e me interessei bastante pelo trailer de Capitão Fantástico na internet. Ultimamente os filmes com um enredo original estão me chamando bastante atenção! O engraçado é que eu costumava torcer o nariz para todas essas coisas mais naturais, esse estilo de vida meio roots que está entrando tão na moda por agora. Minha visão mudou quando conheci realidades diferentes e não era mais sobre as blogueiras fitness comendo barrinhas de cereais com gosto de papelão e malhando 20hrs por dia pra conquistar o corpo incrível.

CAPITÃO FANTÁSTICO

Gênero: Comédia Dramática
Direção:
Matt Ross
Elenco: Viggo Mortensen, Frank Langella, George Mackay
Sinopse: Ben (Viggo Mortensen) tem seis filhos com quem vive longe da civilização, no meio da floresta, numa rígida rotina de aventuras. As crianças lutam, escalam, leem obras clássicas, debatem, caçam e praticam duros exercícios, tendo a autossuficiência sempre como palavra de ordem. Certo dia um triste acontecimento leva a família a deixar o isolamento e o reencontro com parentes distantes traz à tona velhos conflitos.

Capitão Fantástico fala sobre a construção de uma família longe da sociedade.

Isolados do mundo que conhecemos como real, um casal cria seus filhos, os educa, trabalham juntos e são praticamente auto sustentáveis. Ao contrário do que poderia se pensar, os filhos não são bichos do mato e a educação que eles recebem não deixa nada a desejar.. muito pelo contrário, até! Eles são estimulado o tempo todo a se interessar pelo aprendizado, a melhorar a condição física e o ócio não é nada comum.

Eu sou contra a maioria dos extremos. Não acho que as respostas estejam lá. Um exemplo? Essas escolhas que estão cada vez mais comuns, como abandonar o açúcar 100% sem propósitos reais ou se entregar a algum exercício físico quase como uma seita.

As respostas ou soluções não são construídas dessas maneira.

O filme mostra isso. Como com o açúcar, as ações do pai são por várias vezes equivocadas, mas muitas vezes acertadas. Nenhuma criação é perfeita, não existe o modelo perfeito, o modelo ideal. Existem modelos e pessoas que se adaptam melhor ou pior a cada um.

Capitão Fantástico é ótimo pra quebrar preconceitos e nos tirar um pouco da bolha do mundo e modo de vida insustentável em que vivemos.

Garota Agridoce
the authorGarota Agridoce
Gírias cariocas com aquelas boas manias paulistanas. Um toque único de cada livro lido, cada série assistida, cada filme lembrado.. um conjunto de memórias, de lembranças boas a serem compartilhadas.