Crítica de Filmes

A estranha vida de Timothy Green

A estranha vida de Timothy Green é um daqueles filmes que possuem uma sensibilidade ímpar e consegue te fisgar de primeira pelo coração. Cindy e Jim Green, interpretados por Jennifer Garner e Joel Edgerton, narram a história todinha pra nós, nos mínimos detalhes. Eles se encontram em um momento delicado, onde precisam convencer uma assistente social de que estão preparados para serem pais.

É aí que a história começa a ser contada por eles e nada melhor do que a história de surgimento e vida de Timothy Green (CJ Adams) para exemplificar o porquê eles eram merecedores e seriam ótimos pais para uma criança.

Após passarem por um grande problema de infertilidade, tentado de tudo e mais um pouco e recebido a negação do plano de saúde para novas tentativas, eles se sujeitam a adoção. Com o sonho frustrado, uma boa dose de vinho e se deixando levar pelo momento, eles começam a descrever e desenhar características que o filho deles teria, colocam tudo em uma caixinha e em seguida enterram no quintal de casa.

A surpresa é enorme quando, no meio da madrugada, são surpreendidos por uma tempestade repleta de barulhos, batidas de porta e sensações estranhas. Quando se dão conta, encontram um menino de nome Timothy Green (o único nome de menino no qual eles tinham pensado para o caso de terem realmente um filho) no quarto que seria do filho deles, coberto de terra e alegando ser filho deles.

Seria Timothy uma criança desaparecida que, por ironia do destino, acabou parando na casa deles devido à tempestade? Timothy é encantador, educado, gentil e honesto. Aparenta ter um bom coração, ser sincero e, acima de tudo, especial. Diferente das pessoas normais, ele possuí algumas peculiaridades: folhas nas pernas. A ficha só cai para Cindy e Jim quando se deparam com o quintal todo revirado e a caixinha aberta. Timothy, como por um milagre, parecia ser o filho que eles tanto sonharam.

O desafio começa com o dia seguinte. A novidade é grande, eles precisam se adaptar e nada melhor do que criar uma rotina saudável para Timothy: escola. Por ser um menino muito doce e educado, ele acaba sofrendo bullying, apanhando e sofrendo humilhações, mas em contrapartida conhece Joni, uma menina muito bonita e segura de si, e acaba se encantando por ela. Timothy começa a formar uma vida, a ter experiências, sofrer as conseqüências e isso é o que mais aflige seus pais: eles não querem que Timothy passe por problemas, que seja julgado por ser diferente e muito menos que seja motivo de piada e risadas.

Conforme os dias passam, acompanhamos o desenvolvimento dessa nova família e nos surpreendemos com o empenho e dedicação de Cindy e Jim. Eles são tão amorosos, tão queridos, tão preocupados e dedicados.. chega a ser emocionante a forma como tratam Timothy, colocando as necessidades dele em primeiro lugar e tentando fazer o possível e impossível para que ele tenha uma vida diferente da deles quando criança, tudo regado a muito amor.

A estranha vida de Timothy Green fala sobre diversos assuntos especiais, mas, em primeiro lugar, sobre aceitação. Você pode ser diferente, pode ser marcas de nascença, folhas nas pernas, ter cacoetes e ainda assim ser amado, respeitado e querido. Esse filme nos deixa diversas reflexões profundas que nos são apresentadas de formas bem sutis e agradáveis. Você pode ter o papel de pai/mãe e ainda assim errar, afinal, você é humano! O que você não pode é deixar de aprender com seus erros, já que são eles que te tornarão um pai/mãe melhor.

Timothy veio para somar, unir e trazer algo que faltava na vida de Cindy e Jim: união, fé e esperança. Talvez planejar um filho perfeito não seja a coisa mais inteligente do mundo a se fazer, mas a situação foi recebida tão bem por eles, mesmo que com alguns erros no meio do caminho, que talvez fosse exatamente isso que faltava ali: terem algo pelo o que lutar, algo pra poder chamar de seu e defende-lo com unhas e dentes.

Tardei um pouco em assistir esse filme e infelizmente acabei me deixando impressionar com algumas criticas bem negativas, o que me levou a postergar mais e mais para assisti-lo. Fui surpreendida de forma bem positiva! Esse filme foi um grande achado na minha vida, me fez ficar emocionada diversas vezes, rir em outras e até mesmo chorar.

Esse filme foi lançado em 2012 e conta com a atuação da maravilhosa Jennifer Garner. A sintonia dela com Joel Edgerton foi sensacional, uma atuação impecável, cômica e emocionante. CJ Adams tem um carisma surreal, daqueles que te envolve, te conquista e te prende demais. Me vi apaixonada por ele, por sua atuação e por seu personagem! Além desse time de atores maravilhosos, temos uma fotografia impecável, onde a história se passa em Stanleyville (a capital do lápis) e tem todo um aspecto vintage no ar: muitas folhas, muita natureza, um clima de outono destacado e a simplicidade de se viver em uma cidade bem rústica e bela.

A estranha vida de Timothy Green

Gênero: Comédia dramática, Fantasia
Direção: Peter Hedges
Elenco: Jennifer Garner, Joel Edgerton, Cameron C.J. Adams
Ano: 2012

Sinopse: Um casal sem filhos enterra uma caixa em seu quintal, contendo todos os seus sonhos e desejos para uma criança. Logo, nasce Timothy Green, que, no entanto, é muito mais do que parece, trazendo com ele uma magia que vai mudar a maneira de todos sentirem o amor.

Minha indicação de hoje é digna de 5 estrelas e, por mais que a história tenha lá seus clichês e seus surrealismos – crianças não nascem da terra, né? Mas crianças não nascem bruxos e lutam contra bruxos do mal, armários não são passagens secretas para outros mundos e seres humanos não se apaixonam por lobos e vampiros – estamos falando de ficção e nesse mundo tudo é válido!

A estranha vida de Timothy Green é uma história emocionante, cativante e muito amorzinho! E só pra lembrar: está disponível na Netflix. 😉

Michelle Felippelli
27 anos, fotógrafa e publicitária formada e uma completa bookaholic. Sou exatamente ao pé da letra o significado de Agridoce: amarga e doce. ;) Junto com a Priscila sou fundadora do Portal Garota Agridoce, além de ser administradora, colunista e social media por aqui.