This error message is only visible to WordPress admins

Error: No posts found.

Make sure this account has posts available on instagram.com.

Crítica de Filmes

Jovem Aloucada (Joven y Alocada)

Num dia desses onde não encontrei ninguém além da insônia para me fazer companhia, resolvi me aventurar no catalogo da Netflix e, com base no que eu já havia assistido, acabei me deparando com o longa-metragem chileno ‘Jovem Aloucada’, que eu já conhecia superficialmente graças a um meme feito com a sinopse.

Baseado em fatos reais, conhecemos a história da blogueira Camila Gutiérrez, que no filme nos é apresentada como Daniela Ramírez e, já que eu estou trabalhando com exatidão neste post, preciso dizer que conhecemos a história da descoberta sexual de Ramírez e consequentemente os desdobramentos de tal fato.

Ando confusa e nem sei se quero escrever, mas escrevo.

Sem papas na língua e sem fazer rodeios, Daniela é uma adolescente ortodoxa (evangélica) que se beneficia do anonimato que o mundo virtual traz para narrar os seus desejos mais primitivos e secretos em meio aos relatos da sua vida cotidiana, o que por consequência faz com que ela fique mais imersa neste mundo, uma vez que Ramírez passou a ter com quem conversar os assuntos que eram tidos como imorais para o meio que ela está inserida.

Imagem relacionada

Enquanto no mundo virtual Daniela explorava quase que ao máximo o seu lado despudorado, no mundo off-line (real) toda a sua franqueza e rebeldia juvenil tinham que ficar reprimidos, ou quase isso, por conta de sua mãe e da igreja.

Quando Ramírez pensava ou fazia algo que era considerado imoral, ela rapidamente era castigada e as únicas pessoas que aliviam para o lado de Daniela eram sua tia e seus irmãos (mais seu irmão, do que sua irmã, já que a mesma foi excluída da família por fornicar).

Mãe, você pode me castigar, mas posso tudo em nome da minha x*ta suja, posso tudo em nome do homem de Deus que não paro de olhar. Mãe, vou fazer um poema com rima pra você. Vou soprar, soprar, teu castigo vou derrubar e pra esse crente eu vou dar.

Ramírez não derrubou o castigo da mãe, que consistia basicamente em não prestar o vestibular e ter que ir trabalhar numa TV gospel, o que era o mesmo que a morte para ela. A mãe de Daniela acreditava que se a filha se envolvesse mais no universo religioso, menores seriam as chances de sua filha ir contra a palavra de Deus , mas o que ela não sabia é que ‘chances menores não é o mesmo que chances nulas’.

Quanto mais a nossa protagonista se envolvia, mais questionadora ela se tornava, mais dúvidas explodiam em sua mente e mais confusa ela ficava, o que não era visto com bons olhos para a comunidade que ela estava inserida, mesmo isso sendo esperado por conta da idade dela.

Outra coisa que a mãe de Daniela não levou em consideração foi: ela acreditava que a filha poderia pecar por conta das más influencias (pessoas pecadoras), só que ela se esqueceu de que todos os seres humanos são potencialmente pecadores, isso numa dinâmica religiosa, é claro.

Nesse ambiente religioso Ramírez acabou conhecendo duas pessoas que posteriormente acabariam marcando a sua vida de maneira única e determinando como seria o relacionamento entre sua família e ela: Antônia é a sobrinha do diretor do canal, uma menina que não segue os princípios cristãos e que só trabalha num nesse ambiente para sustentar ela e seu gato, e um menino que tinha o mesmo nome que um dos apóstolos de Jesus, Tomás. Diferente de Antônia, ele seguia os princípios cristãos à risca, mas tão à risca que chega a ser comparado a um Carola, de acordo com Daniela.

Imagem relacionada

A relação que Ramírez desenvolve com ambos, somados a explosão de hormônios que percorriam por todo o seu corpo como um trem sem freio, acabou resultando nela uma crise existencial que a levou a questionar seus desejos, sua fé, a sociedade (cristã), seu núcleo familiar e, por fim, seu relacionamento com Deus.

Notas sobre o filme &  Considerações finais:

Preciso dizer que naquela madrugada em que descobri este filme, não fui muito com ‘a cara’ dele, mas mesmo assim decidi termina-lo, e que mesmo com essa primeira impressão negativa, decidi reassistir, pois faço parte daquele grupo que acredita que o nosso gostar ou não é muito influenciado pelo momento que estamos vivendo e naquele primeiro momento eu estava meio que desesperada para sair do tédio — eu só estava a procura de algo para me entretece.

tumblr_mhcioxioU51rimju7o1_500Passado este momento, coloquei o filme pra rodar novamente e hoje posso dizer que ele subiu muito no meu conceito. Assim como a minha série favorita de todos os tempos (Sex and the city), o enredo da trama é todo construído com base no que a personagem central escreve para os seus leitores; assim como Carrie Bradshaw, Daniela Ramírez mescla em seus escritos o olhar que ela tem sobre o seu cotidiano, quanto o olhar para sua vida sexual.

Em seus relatos escritos Ramírez critica de maneira vaga e melancólica – talvez pela idade – as instituições que a cercam e os relacionamentos que ela tem, numa tentativa de não só entender como aquela dinâmica funciona mas também de se encaixar naquele meio e se sentir confortável para ali permanecer.

Só acredito em estar perdida. Amém, e amém, e amém, e amém.

Esse filme tem uma pegada pop, com gifs roubando a cena em momentos estratégicos, com os comentários que eram feitos nos post de Daniela e com as conversas que a mesma tinha pelo computador  rolando pela tela, e mudanças de cores combinadas com a sonoplastia.

Uma das poucas coisas que eu mudaria neste filme seria o ritmo que o desfecho foi construído. A sensação que tive, era que a bateria da câmera estava acabando e que eles decidiram correr com o final, ao invés de trocarem a carga, e é por isso que eu não darei nota máxima.

Eu esperava mais e isso quase não tem nada a ver com as minhas expectativas, uma vez que elas já andavam baixas desde Azul é a cor mais quente, que me colocou dentro de um avião e no final não levantou voo. Fora isso, Jovem Aloucada é um filme bonito, com enquadramentos muito bem feitos, cheio de falas sinceras e irônicas, e que merece mais destaque por abordar assuntos de cunho social de uma maneira amena, mas que no final te faz embarcar numa auto reflexão no mínimo enriquecedora.

Imagem relacionada

Jovem Aloucada (Joven y alocada)

Ano de Lançamento: 2012
Direção: Marialy Rivas
Duração: 96 minutos
Elenco principal: Alicia Rodríguez, Ingrid Isensee, María Gracia Omegna e Aline Küppenheim
Gênero: Drama
País de Origem: Chile

Sinopse: Jovem Aloucada conta a história de Daniela (Alicia Rodríguez), uma garota de 17 anos que foi criada em uma família evangélica, em Santiago, capital do Chile. Com uma rebeldia nata, ela não encontra uma válvula de escape, a não ser se envolver em diversas aventuras sexuais e depois partilhar tudo em um blog.

Jovem Aloucada ganhou o Queer Lisboa (melhor atuação feminina para Alicia Rodríguez), San Sebastián (melhor filme homossexual), Festival Latinoamericano de Toulouse (escolha do público) e Sundance (melhor roteiro de drama).

Avatar About Author

20 anos, estudante de Psicologia. Formada em TV e Cinema pela Oficina de Atores em 2010. Blogueira por amor e colaboradora do #LuzCâmeraAção no Garota Agridoce. ;)