This error message is only visible to WordPress admins

Error: No posts found.

Make sure this account has posts available on instagram.com.

Resenhas de Livros

O lado feio do amor

Sempre tive muita vontade de ler algum dos livros da Colleen Hoover e, ao me deparar com O lado feio do amor, senti que seria por esse que daria meu pontapé inicial (aqui você confere a resenha de ‘Em Busca da Cinderela‘, resenhado pela Priscila). Lançado no segundo semestre de 2015 pela Galera Record, resolvi compartilhar com vocês meu ponto de vista.

capa o lado feio do amor resenha colleen hoover garota agridoceO LADO FEIO DO AMOR

Livro com 332 páginas, escrito pela escritora americana Colleen Hoover e publicado no segundo semestre de 2015 pela Galera Record.

Sinopse: Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo… apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor. O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

O lado feio do amor é um dos poucos livros onde a sinopse diz o necessário e, por esse motivo, não irei me prolongar muito ao falar sobre a história.

 Tate e Miles se conhecem por intermédio de Corbin, irmão de Tate. Miles aparece no primeiro momento do livro, ao estar bêbado e estirado na porta do apartamento de Corbin, tentando invadir o mesmo quando Tate entra. Ao saber que será obrigada a deixar o mesmo entrar por se tratar do vizinho, colega de profissão (ambos são aviadores) e amigo de seu irmão, Tate inconscientemente acaba se sentindo atraída ao ‘conhecerMiles por trás da capa de álcool e dos vestígios da bebedeira.

Eles acabam de aproximando. A atração é inevitável. Eles se beijam. Eles querem mais. Miles quer sexo, apenas sexo. Tate concorda com isso. Ele é um grosso. Ela afirma poder lidar com isso para si mesma. Eles tem um trato: apenas sexo, sem envolvimentos, sem compromissos, sem perguntas, sem esperanças de um futuro. Até então Tate não tem uma ‘regra’. As coisas se complicam. Tate quer mais.. e sua regra? Ela é simples..

Eu acho que eu finalmente tenho minha única regra (…) não me dê falsas esperanças de um futuro, especialmente se você sabe no seu coração que nós nunca teremos um.

Pois é.. engana-se quem pensa que em Um lado feio do amor temos um relacionamento apenas sem compromissos entre dois adultos que sentem atração um pelo outro. Vai muito além disso. Tate, ao meu ver, é uma mulher que não possui estruturas emocionais. Ela parece querer se cobrir com uma capa, carregar um escudo do qual não tem posse ao afirmar para si mesma que não sentirá nada por Miles, se conformando com o que tem. Miles é um personagem no qual não consegui gostar nem um pouquinho.

Suas atitudes sombrias, seu ar misterioso e sua forma fria/estupida/grosseira de tratar Tate me irritaram de certa forma que nossa.. sério, sem comentários.

Se qualquer outro homem, me tratasse como ele me tratou, seria o único e uma única vez. Eu não tolero as coisas que vi um monte de amigas tolerar. No entanto, eu me vi continuando a fazer exceções para ele, como se alguma coisa pudesse realmente justificar suas ações.

Tate em momento algum se comportou como uma mulher confiante. Muito pelo contrário. As coisas seguiam o seguinte ritmo: Miles chega de sua escala aérea > Miles chama Tate > Tate vai ao apartamento de Miles > Tate e Miles se acabam na cama > Assim que Miles termina, levanta e da a brecha para Tate ir embora > Tate vai embora. É o fim até o próximo round.

Preciso dizer que me decepcionei com a história. Eu realmente esperava MUITO desse livro e eu tive uma versão de um Christian Grey não-sadomasoquista. Vi um homem misterioso que possui um passado regado a sombra de alguma ex-namorada chamada Rachel, passado esse que o fechou para os relacionamentos – o deixando seis anos sem qualquer tipo de contato intimo – e o tornou bem cruel com as mulheres, nesse caso.. com Tate.

Faz seis anos, Tate. Acredite quando eu digo… eu estou pronto.

Não temos uma história acontecendo, se é que me entendem. Temos o passado de Miles oculto e uma relação completamente sexual. Tate acaba se envolvendo e Miles.. bom, Miles continua se escondendo, se desviando, se afastando. Um relacionamento que aos poucos foi passando a ser algo mais intimista e era levado como se não fosse nada por Miles. QUE REVOLTANTE VER QUE A TATE SE PORTAVA COMO UMA PAMONHA NO MEIO DISSO TUDO, SÉRIO!

Até que ponto vale você estar com alguém? Você se doar e receber migalhas? Ou as vezes não receber nem sombra disso.

Se eu fosse capaz de amar alguém… Seria você.

Temos duas narrativas: a atual pelo ponto de vista de Tate e flashes do passado, narrados por Miles. Nesses flashes conhecemos Rachel, a ex-namorada dele, e conhecemos um pouco mais do que causou esse ‘lado feio do amor‘ nele.

A leitura é de fácil compreensão e consegui perfeitamente alcançar o motivo pelo qual as pessoas amam a Colleen Hoover: ela escreve com uma sutileza que você piscou e o livro acabou. O tempo voa e isso é muito bom, mesmo com a história sendo algo tão.. incompleto. Pra mim faltou um enredo, faltou uma história para basear o livro. Não fiquei satisfeita tendo apenas ‘o passado de Miles‘ como ‘mistério‘ ou ‘base de história‘.

Faltou ação, faltou atitude da personagem, faltaram muitas coisinhas que foram fazendo com que esse livro não se tornasse memorável para mim.

O lado feio do amor Colleen Hoover Ugly Love Resenha Galera Record Review Garota Agridoce

Um ponto interessante da história fica por conta de Cap, um senhorzinho que é porteiro/zelador do prédio. Ele é como aquelas senhorinhas que sempre tem um conselho certo e na hora certa para dar. Esse personagem sim me cativou, diferente dos dois outros protagonistas.

Seria injusto não dar créditos ao desenrolar da história: somos cozinhados em banho-maria por sabe-se lá quantas páginas até que temos, finalmente, a revelação do passado de Miles e sim, isso mexeu muito comigo. Me emocionou, me cativou em certo ponto e depois passou hahahaha mas me fez compreender em alguns momentos a sua reclusão, mas não me fez aceitar suas atitudes tão mesquinhas e ignorantes com Tate.

O final realmente deixou a desejar e eu sinto muito mesmo por quem amou esse livro.. mas ele com certeza não entra para a minha lista de queridinhos. 🙁 Amei a forma como a Coollen escreve e em breve darei outra chance para ela me cativar com uma história, no caso.. a série Slammed.

Eu não tenho ideia sobre o que se passa pela sua cabeça. Ele nunca sorri. Ele nunca gargalha. Ele não flerta. Seu rosto parece como se ele mantivesse uma armadura entre suas expressões e o resto do mundo.

Quanto a Galera Record: eu AMEI a capa e ODIEI o miolo do livro. Por que diabos vocês, editoras em geral, estão fazendo esses miolos todos de papel branco? Gente, vamos melhorar? Isso é péssimo! Sei que a crise está ai pra todos.. mas miolo branco e fonte pequeninha, ahhhhh! Isso não é nada legal.

O amor nem sempre é belo, Tate. Às vezes, você passa todo o seu tempo esperando que ele será, eventualmente, algo diferente. Algo melhor. Então, antes que você se dê conta, você está de volta ao ponto de partida, e você perdeu seu coração em algum lugar pelo caminho.

Uma lição que se tira com essa história? Sim, existe um lado feio causado pelo amor, como é o caso de Miles e suas sequelas emocionais/psicológicas e sim, quando escolhemos amar alguém devemos aceitar o pacote completo, ou seja, os lados bons e os lados ruins. Faz parte né?

Mas vale lembrar que – PRA MIMnão existe amor que valha a nossa própria destruição, a nossa ruína ao fundo do poço ou sermos tratadas que nem bichos. #ficaadica

Michelle Felippelli About Author

29 anos, fotógrafa, publicitária formada e uma completa bookaholic. Exatamente ao pé da letra o significado de Agridoce: amarga e doce. ;)